quarta-feira, 19 de maio de 2010

MENSAGEM PE(R)DIDA

O tédio vem com seus tentáculos,
tenta, cria obstáculos
labirínticos laços, passos e compassos...

O tédio vem com seus quilos,
ou com seus 140 caracteres...
o tédio de caráter pérfido
de vontade perdida, desejo de não ir...
O tédio voa, sábio
donde o sabiá faz suas entranhas,
o tédio devora, estranho, a minha razão
fazendo-me poeta gótico,
embaçando meu sistema óptico, cuspindo na minha cara
e dizendo o quanto é caro
tirar a minha satisfação de ser...

O tédio vai, tufão
o tédio, embasbacado bufão
da minha commedia dell'arte insana,
o tédio trepa com minha vontade de trepar,
o tédio substancia minha necessidade de não estar,
o tédio ruboriza o mar,
o tédio zomba da minha querência de amar...

tédio, amigos não virão
tédio, a garrafa secará
e nem trará sinal,
tédio, dama que não vingará
tédio, a castração do meu voar...

tédio, ódio do ócio
o tédio é estes dizeres sem par.
Tédio é o amargo e fel infiel comer,
tédio, tédio, tempo, tempo
tic-tac que não traz,
troca que não jaz,
aviso ao acaso, casa sem merecer...

2 comentários:

poeta da noite-slash disse...

Super legal, gostei mesmo, segue meu blog !!!!!!!!!!!!!!!!!:B

Juliana M. Mesquita disse...

Cheguei até aqui porque li a entrevista no Bloco de Notas e vim conhece-lo de verdade :)
O tédio nos coloca à força naquele lugar de nós! Pode ser perigoso ou assim.. olha o resultado :) Muito bom, até breve!