sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

AVISO AOS (QUASE NENHUM) NAVEGANTES


Informo aqui que, por perca de inspiração, talento ou tesão literário, deixo meu blog inerte por segunda ordem ou pelo menos por alguma boa intervenção do acaso. Por favor, não vejam isto como uma aparente apelação midiática de filantropia (apesar de transparecer uma total apelação), mas sim um desabafo de um (quiçá) poeta cansado de escrever em vão. Motivo talvez não haja: não sou a manchete popular que tanto almejo, musas (as que quero e não me querem, as que não devia querer mas desejo ou simplesmente – e maioria – as que não e nunca hão de me querer) não me interessam tanto assim e ver poemas em segundo plano – ou menos importante que cerejas de bolo ou um axé antigo – fazem deste vil apenas um espantalho a afugentar corvo algum. Retiro-me, mas deixo esta página numa sobrevida, já que ainda acredito numa retomada da arte, esta que vale quando a vida não basta, como estampo numa camisa... Se ainda houver motivo maior para escrever, certamente retomo ao velho e agradável hábito da escrita. Vou deixar hibernando uma centelha de mim, serei metade burocrática e menos sonhadora, talvez mais adulta e necessária, mas certamente órfão doutra parte essencial deste tosco Mateus que vos apresenta. Certamente (por puro instinto da pena) ganharei meia dúzia de comentários de bons amigos que não deixaram este que fala num estado de semidepressão vegetativa, mas não sei se será o nitro fundamental para o retorno ideal de um pseudopoetinha vagabundo... (Sem querer me comparar a ninguém) No dia em que Eça de Queiróz for mais interessante que Pablo do Arrocha, com certeza estaremos projetando monstros de Goya dentro de cada um de nós... Quero apenas que o monstro que me cabe devore o Mateus que ainda acredita ser aedo sem canção... Caso você tenha lido isto (o que duvido que tenham sido muitos), deixo aqui meu mais sinceros abraços de felicidades. Caso não, felicito-o pela saudável opção de renegar a leitura de algo bárbaro, piegas, tosco e totalmente sem noção racional, o emocional subindo acima de minhas vãs filosofias... 

7 comentários:

Lucicleia Araújo de Oliveira disse...

pare com isso cara,não se limite tanto assim ,vc é bem maior

Guilherme disse...

Você é o cara, Parceiro!

Danilo lima Vaz disse...

força teteus.....

Saulo Barreto Cunha disse...

é uma grande pena Mateus, vc é o mais talentoso poeta que conheci nesses blogs. Até um possível retorno, abraço.

Saulo Ícaro disse...

Deixe de coisa... ex-poeta ce nunca será rsrsrs... relaxe man, ce te talento e sabe... um dia seu reconhecimento devido irá surgir, não se estresse com isso.

Fernando disse...

Fale sobre futebol!!!!!

Sarah Sodré disse...

Adoro seus textos!