sexta-feira, 15 de abril de 2011

NÃO É VOCÊ (EM VOZ DE NELSON GONÇALVES)

Não é você,
até achei que fosse...
enxerguei-a distante,
confundi o brilho:
a luz do seu farol não guiará meus navios;
meu amor será apenas neve,
meus carinhos, nada que atreve ou acenda pavios,
e meus abraços, somente braços que confortam...

Não é você,
mas queria no fim...
mas seria uma remota ousadia do poeta
tê-la como reta, como guio do seu guiar ?!

Não é você,
sinto isto em sua voz muda,
leio isto em seus lábios cegos,
desvendo isto em suas palavras ternas,
fazendo de minhas tardes plenas,
primavera corrente em meu inferno inverno...

Não é você
e nem é do seu agrado,
que nosso segredo amargo
seja agridoce ácido,
o que corroi e nutre,
feito guiar dum cavalo chucro
feito chuva dolente escorrendo pelo peito,
feito amor danoso, sem concreto ou alicerce
amor vão, amor são...

amor distante de sua boca...

meu palíndromo sinal,
não é você...

não...
é você...
ou...
é você...

consciente esquizofrenia,
esperança que devo trucidar,
adaga no coração da Julieta,
o que devo parar de sentir...
parar de sentir...
de sentir...
parar...

Um comentário:

Ana Cleide disse...

Quanto mais eu conheço o trabalho deste tão talentoso poeta fico encantada e honrada em poder apreciar tamanho talento *-*... iiii Mateus parabéns... Adoroo o teu trabalho