quinta-feira, 12 de junho de 2008

PATY

Paty, um sorriso
Paty, um acalanto
Paty, encanto
Paty, canto por voar...

Paty, um sonho querendo dormir
Paty, parte de um desejo
Paty, amiga de longe
Paty, alegria aos montes
Paty, um agradável sândalo a aspirar

Paty, uma menina
Paty que domina
tudo mais que ilumina,
Doçura meiga, cálida mulher.
Paty, criança que acha um ninho de bem-te-vi
Bem-vinda, bendita, beleza marmórea,
A meiguice infantil de uma descoberta boa,
Caçar caracol, enamorar de sol, nado na lagoa...
Paty, crisálida em seu abrigo frio
Paty, adocicar-me no assobio
A música de uma vida toda a te clamar....


Paty, simplesmente
A amiga que me surpreende
Com recadinhos lindos no orkut a me alegrar...

(2007)

Um comentário:

Germano disse...

poeta é sempre asim.
faz verso emtudo e vê, enxerga todo o tempo.
viaja, faz tudo de nada e nada em tudo, mergulha.

Eu volto depois de tempos, meu caro.

Tenho coisas para ler.

Abração, Mateus.

Germano