quarta-feira, 5 de março de 2008

INÉDITA

Para Priscilla (de Salvador)

Lira suave que encanta e hipnotiza,
pitonisa das seitas do amor enriquecido,
aquecido coração que inflama e sonha,
risonha e pura, tão mulher e inédita...

Medita sobre as escamas de sua cauda, sereia de extensa beleza,
certeza de sua adoração, oh mortais que a reverenciam !
Apreciam apenas o costume de seu olhar vago,
divago por sua ausência, doce presença, intensa sentença...

Deusa da metrópole suja e liquefeita,
perfeita, amada, amiga, feminina...
Menina que brinca na poça de lama
ama, criada em nosso castelo de areia
cheia da lua, então estravasa:
"Vaga e vazia luz, conduz meus anseios
aos meios que um dia me conduza ao pedido,
perdido e escondido em mim:
querubim, quero a alegria das minhas bonecas
e a recompensa sapeca de minhas infâncias..."

Aí, flor em botão, incenso magno
magnificências para o seu passar,
seus passos no campo das orquídeas:
perfídias são elas pois invejam a quimera de seus sorrisos
suaves e imprecisos,
deste rosto que me pede um singelo poetar...

(2007)

2 comentários:

vladimir disse...

adorei...

feita com maestria...
adorei os écos do fim e começo das frases, além da grande inspiração que vc parecia estar no momento que a compôs...
parabens

Mateus Dourado disse...

Valeu Vlad !!!!
Muito bom ver um comentário seu por aqui. Espero q a assiduidade continue, certo ?!
Pois é, fiz este poema pruma amiga de orkut q eu nem conheço fisicamente, acredita ?! Mas ela é brother dos meninos da Barra e da galera de Gladinho, aí foi inevitável...
Ficou até bonitinho, né ?!
Abraços !!!