quarta-feira, 27 de fevereiro de 2008

LÁGRIMA, LÁGRIMA

A lágrima
que saltei num dia alegre,
numa noite que chovia,
lágrima que molhou meu rosto raivoso.

Uma lágrima amiga
pro amigo que nenhuma culpa tem,
uma lágrima minha,
uma lágrima por mim...

Lágrima, lágrima
lágrima pela vadia que não merecia nem um tostão
lágrima pela menina-mulher;
lágrima vazia
pela vadia menina-mulher
que não merecia nem um tostão.

Uma lágria, pra quê tanto ?
Ainda há amigos
e o carnaval nem acabou...
Não despismos as máscaras,
todos ainda são tudo
e somos simbiose numa multidão de foliões
e amanhãs querendo tardar.
Lágrima, lágrima
chore, sorria !!!
Nada vale a sua vida, nada...
A embriaguez do jovem, o beijo carrasco,
a desvelação dos seres,
dissecação do incosnciente...

Então, ciente
me recolho numa esquina
e espero o bloco passar...
Há um cordão mais tarde,
haverá um enquanto você viajar.

(2007)

Um comentário:

Germano V. Xavier disse...

Lamacento lamento que inspira desejos por dias melhores... talve a melhor metáfora para um sujeito de alma boa e coração puro com você , mestre...

A repetição atinou para imagens lacrimais...

Muito bom...

Xavier